telefone(85) 4009.6300

Respeito às restrições do orçamento é imprescindível para alcançar meta fiscal

08/07/2016 - 16h07



Respeito às restrições do orçamento é imprescindível para alcançar meta fiscal

Foi apresentada nesta quinta-feira a meta fiscal do setor público para 2017. O déficit primário (que ocorre antes do pagamento de juros) será de R$ 143 bilhões (2,09% do PIB), um valor expressivo, mas, por outro lado, R$ 27,5 bilhões menor do que a meta prevista para esse ano. Para entender esse resultado, é importante destacar que, segundo cálculos do governo, e mantidas as tendências das despesas nos últimos anos, o rombo nas contas em 2017 seria de R$ 270 bilhões, porém, considerando que a PEC que limita o crescimento real dos gastos seja aprovada no Congresso, esse montante seria reduzido para R$ 194 bilhões. Como o governo estima uma arrecadação extra de R$ 55 bilhões, chegamos, portanto, ao déficit previsto de R$ 143 bilhões. Nessa direção, pelo menos três reflexões devem ser feitas.

Primeiramente, é notável a necessidade de aprovação da PEC pelo Congresso Nacional. Sem ela, a despesa primária, segundo previsões de analistas, sairia de 20,7% do PIB em 2016 para 26,2% em 2030 (então, teríamos déficit primário igual a 7% do PIB). Com a PEC, a despesa cairia para 16,4% e haveria um superávit primário de 2,7% em 2030.

Em segundo, é muito importante que o governo apresente, em breve, os caminhos que irá tomar para alcançar os R$ 55 bilhões de arrecadação extraordinária. Isso trará mais tranquilidade para os agentes, especialmente se a elevação das receitas não vier acompanhada de aumento de impostos. A realização de concessões, por exemplo, deve ser priorizada.

Finalmente, é imprescindível que se identifiquem pontos em que se pode reduzir as despesas. Ou seja, o governo brasileiro deve aproveitar o seu novo regime fiscal para fazer, criteriosamente, a avaliação de cada uma de suas despesas. É fundamental garantir que os programas mantidos com recursos públicos atinjam, de fato, seus objetivos. Como exemplo, apenas com a revisão dos benefícios de auxílio-doença, da aposentadoria por invalidez e o Benefício da Prestação Continuada (BPC), anunciada nesta quinta-feira, será gerada uma economia anual de R$ 7,1 bilhões.

Dessa forma, é fundamental que as restrições do orçamento público sejam respeitadas, e que governo e Congresso Nacional priorizem as soluções para esse problema. 

Confira as edições anteriores da Análise Econômica Semanal:

01/07 - O elemento central para a retomada da econonomia

24/06O "Brexit" como mais um desafio para a agenda internacional brasileira

17/06 - Sinais de confiança na retomada da economia

10/06 - Foco no cumprimento da meta de inflação

03/06 - No Caminho da austeridade

27/05 - Primeiras medidas evitam agravamento do quadro fiscal

20/05 -  Controle das contas públicas e a eficiente gestão do gasto

13/05 - Competitividade, chave para retomada do crescimento

06/05 -  A premissa da eficiência do gasto público

29/04 - O equilíbrio que se faz necessário nesse momento

22/04 - Os desafios do pós-Dilma

15/04 - Próximos dias darão o tom sobre as incertezas

08/04 - Um governo novo ou um "novo governo?

01/04 - FUTURO: Uma construção coletiva

24/03 - Não há saída sem a recuperação da confiança

18/03 - Destaques econômicos em segundo plano

11/03 - Os humores da política

04/03 - Efeitos da Lava Jato na economia

26/02 - Até que enfim, um sopro de positividade

19/02 - Programação Orçamentária e Financeira para 2016: cortes de gastos de R$ 24 bilhões

Acompanhe o Sistema FIEC nas redes sociais:

FIEC - Federação das Indústrias do Estado do Ceará
Av. Barão de Studart, 1980 - Aldeota - Fortaleza/CE - CEP: 60.120-024 - CNPJ: 07.264.385/0001-43
Política de Privacidade & Copyright