telefone(85) 4009.6300

Faturamento da indústria acumula queda de 12,2% no ano, informa CNI

06/07/2016 - 11h07

Indicadores Industriais de maio confirmam que a recessão persiste no setor. O nível de emprego é o menor desde fevereiro de 2006 e a ociosidade é a mais alta desde 2003

O faturamento real da indústria caiu 3,8% e as horas trabalhadas na produção recuaram 3,6% em maio na comparação com abril, na série livre de influências sazonais. Com a queda de maio, as horas trabalhadas na produção alcançaram o menor nível desde 2003, quando começou a série histórica, informam os Indicadores Industriais, divulgados nesta quarta-feira, 6 de julho, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Conforme a pesquisa, o faturamento real teve uma retração de 12,2% e as horas trabalhadas caíram 10,1% de janeiro a maio deste ano na comparação com os mesmos meses de 2015.   A utilização da capacidade instalada ficou estável em 77% em maio, o menor percentual da série histórica, que começou em 2003.

Com ociosidade recorde, vendas e produção em queda, a indústria reduziu ainda mais o quadro de empregados. O emprego no setor caiu 0,8% em maio frente a abril, na série dessazonalizada, e alcançou o menor nível desde fevereiro de 2006. A queda acumulada de janeiro a maio foi de 9,3% em relação ao mesmo período de 2015.

Depois do leve aumento de 0,3% em abril, a massa real de salários diminuiu 1,7%, na série com ajuste sazonal. Na mesma base de comparação, o rendimento médio dos trabalhadores recuou 1%. "O ciclo recessivo na indústria de transformação persiste", observa a CNI.

Acompanhe o Sistema FIEC nas redes sociais:

FIEC - Federação das Indústrias do Estado do Ceará
Av. Barão de Studart, 1980 - Aldeota - Fortaleza/CE - CEP: 60.120-024 - CNPJ: 07.264.385/0001-43
Política de Privacidade & Copyright