Em coluna no jornal O Povo, Karina Frota analisa o Protagonismos feminino na área de comércio exterior cearense

Em coluna no jornal O Povo, Karina Frota analisa o Protagonismos feminino na área de comércio exterior cearense
Confira o texto na íntegra da coluna, desta semana, da Gerente do Centro Internacional de Negócios da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC), Karina Frota, no jornal O Povo.

Mulheres sem Fronteiras

Protagonismos feminino é reconhecido na área de comércio exterior cearense, na qual elas "dominaram o mundo".

Em maio de 1908, foi estabelecido o primeiro Dia da Mulher nos Estados Unidos. Durante décadas, mulheres do mundo inteiro protestaram solicitando igualdade política e econômica nas nações onde viviam. Próximo do final da Primeira Guerra Mundial, o protesto conhecido como “Pão e Paz”, na Rússia, marcou a manifestação de aproximadamente 100 mil mulheres sobre as péssimas condições de trabalho e a fome, ocorrido em 8 de março.
Duas décadas depois, a Organização das Nações Unidas (ONU) firmou o primeiro acordo internacional de igualdade entre homens e mulheres, e oficializou, no final da Segunda Guerra Mundial, a data 8 de março como “Dia Internacional da Mulher”.

O período é marcado por transformações radicais na força de trabalho dos países “de primeiro mundo. ” Grandes autores, como o austríaco Peter Druck, escreveu de forma irretocável sobre educação e carreiras de mulheres no desafiador mercado de trabalho.

Desde um ambiente mais humanizado, até o excesso de cautela para reduzir erros. É fato que no Estado do Ceará e especialmente na área de comércio exterior, as mulheres “dominaram o mundo. ” Instituições Públicas e Privadas, Escritórios de Despacho Aduaneiro, advogadas que atuam no Direito Internacional, Logística, Universidades...
No Ceará, desde a fundação da Comissão de Comércio Exterior (CCE), em 2001, as mulheres trouxeram mudanças significativas através da sinergia de esforços, voltados para promover a cultura da internacionalização no Estado.

Na “glamourosa” área internacional, além do requisito fundamental da parte técnica, a habilidade de se relacionar é condição indispensável. Mulheres de todas as raças e de todas as partes do mundo, buscam isonomia, equidade, equivalência e o fortalecimento do gênero. As profissionais contemporâneas são mulheres “sem fronteiras”.

Foto: Getty Images

(85) 3421.5916 / Av. Barão de Studart, 1980, Aldeota - Fortaleza-CE
© Todos os direitos reservados ao NUMA