telefone(85) 4009.6300

Mudança na SELIC terá que vir acompanhada de medidas fiscais

22/07/2016 - 16h07

Mesmo diante da mais profunda recessão econômica brasileira – em magnitude, comparável apenas aos períodos de 1930 a 1931, e de 1981 a 1983 -, os juros permanecem altos. Na quarta-feira, o COPOM (Comitê de Política Monetária) decidiu manter a taxa SELIC em 14,25% ao ano, e isso se deveu especialmente ao comportamento da inflação, que apenas começou a cair nos últimos meses. Por causa disso, inclusive, não há espaço para redução dos juros em agosto, como esperado por parte do mercado. Porém, segue projetado corte de 0,5 ponto percentual em outubro, com a SELIC terminando o ano em 13,25% e sendo reduzida para 11,25% em 2017.

É justificável esse espaço para redução dos juros. Em primeiro lugar, pela inflação em queda – dados divulgados pelo IBGE indicam que os preços devem continuar caindo. Apesar da inflação de julho estar acima das projeções (feijão e leite, com respectivas altas no ano de 58,06% e 15,54%, foram os destaques negativos), as estimativas apontam para desaceleração nos preços de alimentos e bebidas nos próximos meses. Em segundo, pela desvalorização do câmbio e do ajustamento dos chamados preços administrados (são aqueles estabelecidos por contratos e não pela lei de oferta e demanda. Exemplos: serviços telefônicos, planos de saúde, gasolina, eletricidade, taxa de água e esgoto, IPVA, IPTU, entre outros). Em terceiro, pelo aumento recente da confiança, que reduz as incertezas, deixando sob maior controle as expectativas dos agentes econômicos. E, finalmente, pela enorme ociosidade econômica atual, que abre uma possibilidade natural de recuperação.

Mas, para que a redução da SELIC ocorra, será necessário avanço nas medidas fiscais, notadamente no êxito do projeto que limita a expansão dos gastos da União pela inflação do ano anterior e, ainda, nas mudanças nas regras de aposentadoria. Para se entender a gravidade do problema em relação a previdência, nos 12 meses acumulados até maio deste ano, os benefícios previdenciários responderam por 38% da despesa primária da União.

Portanto, mesmo com o contexto atual de recessão e juros altos, tem-se um provável cenário futuro de diminuição da SELIC, motivado, fundamentalmente, pela menor inflação, maior confiança e sucesso da política fiscal. Obviamente, juros menores devem ser sempre buscados, pois são imprescindíveis para a elevação dos investimentos.

Confira as edições anteriores da Análise Econômica Semanal:

15/07 - Precisamos aproveitar o cenário favorável

08/07 - Respeito às restrições do orçamento é imprescindível para alcançar meta fiscal

01/07 - O elemento central para a retomada da econonomia

24/06O "Brexit" como mais um desafio para a agenda internacional brasileira

17/06 - Sinais de confiança na retomada da economia

10/06 - Foco no cumprimento da meta de inflação

03/06 - No Caminho da austeridade

27/05 - Primeiras medidas evitam agravamento do quadro fiscal

20/05 -  Controle das contas públicas e a eficiente gestão do gasto

13/05 - Competitividade, chave para retomada do crescimento

06/05 -  A premissa da eficiência do gasto público

29/04 - O equilíbrio que se faz necessário nesse momento

22/04 - Os desafios do pós-Dilma

15/04 - Próximos dias darão o tom sobre as incertezas

08/04 - Um governo novo ou um "novo governo?

01/04 - FUTURO: Uma construção coletiva

24/03 - Não há saída sem a recuperação da confiança

18/03 - Destaques econômicos em segundo plano

11/03 - Os humores da política

04/03 - Efeitos da Lava Jato na economia

26/02 - Até que enfim, um sopro de positividade

19/02 - Programação Orçamentária e Financeira para 2016: cortes de gastos de R$ 24 bilhões

Acompanhe o Sistema FIEC nas redes sociais:

FIEC - Federação das Indústrias do Estado do Ceará
Av. Barão de Studart, 1980 - Aldeota - Fortaleza/CE - CEP: 60.120-024 - CNPJ: 07.264.385/0001-43
Política de Privacidade & Copyright